468x60
Início POLÍCIA Polícia prende 21 pessoas envolvidas em esquema que causou prejuízo de R$ 30 milhões à Amazonas Energia
Polícia prende 21 pessoas envolvidas em esquema que causou prejuízo de R$ 30 milhões à Amazonas Energia

Polícia prende 21 pessoas envolvidas em esquema que causou prejuízo de R$ 30 milhões à Amazonas Energia

80
0

A Polícia Civil do Amazonas, por meio da Delegacia Especializada em Combate ao Furto de Energia, Água, Gás e Serviços de Telecomunicações (DECFS) e Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), com apoio da Eletrobras Amazonas Energia, deflagrou na manhã desta quinta-feira (11/01), sob a coordenação do delegado-geral adjunto da instituição, Antonio Chicre Neto, a operação “Luz para Poucos”, que resultou no cumprimento de 21 mandados de prisão preventiva e 15 mandados de busca e apreensão.

De acordo com o delegado titular da DECFS, Felipe Vasconcelos Dias, a operação teve por objetivo desarticular uma organização criminosa formada por funcionários da Eletrobras Amazonas Energia e empresários da capital, pela prática de organização criminosa, estelionato, peculato, corrupção ativa e passiva, além de inserção de dados falsos em sistema de informações com atuação na concessionária de energia elétrica no Estado.

A autoridade policial ressaltou que as diligências ocorreram em postos de atendimento da empresa Eletrobras e residências na capital. Além das 21 pessoas presas, foram apreendidos equipamentos, materiais elétricos, armas de fogo e R$ 6,7 mil em espécie ao longo dos trabalhos. Os mandados foram expedidos pela juíza Andrea Jane Silva de Medeiros, da 5ª Vara Criminal.

Os empresários Pedro Paulo e Valdir Campelo irão responder por organização criminosa, corrupção ativa e estelionato. Os eletricistas Márcio Ribeiro, Charles Lima, Mário Rangel, Paulo Lino e Paulo Ribeiro irão responder por organização criminosa, corrupção ativa e estelionato. Márcio, além dos crimes citados, irá responder por posse ilegal de arma de fogo de uso permitido.

Organização criminosa – A supervisora de uma unidade de atendimento da concessionária em Manaus, Lizanette Beckman, além dos atendentes Daniel Jakminutt, Cairo Luiz, Raphael Walbert, Patriciane Oliveira, Cinthya Neves, Alexsander Lopes e Armindo Vital irão responder por organização criminosa, corrupção passiva, estelionato e inserção de dados falsos em sistema de informações. Francisco Moreira, Marcello Coelho, Raimundo Iranildo, Adolfo Castro, Paulo Roberto e Sarah Viana, técnicos ou funcionários terceirizados da empresa, irão responder por organização criminosa, peculato e corrupção passiva.

Eles foram apresentados na tarde desta quinta-feira (11/01), durante coletiva de imprensa realizada às 12h30, no prédio da Delegacia Geral. O delegado-geral da instituição, Mariolino Brito; o delegado titular da DECFS e o diretor-adjunto do DRCO, delegado Thomaz Vasconcelos Dias, além do diretor-presidente da Eletrobras Amazonas Energia, Tarcísio Estefano Rosa, e a diretora comercial da empresa, Andressa Oliveira, discorreram sobre a importância da operação.

Prejuízo expressivo – “O nosso prejuízo anual relacionado ao furto de energia no Estado é da ordem de R$ 500 milhões. As nossas atividades, que começaram há muito tempo, não têm a engenharia da Polícia Civil. Então, solicitamos o apoio da instituição. Somente a Polícia Civil para uma ação desse tamanho e com essa importância”, declarou Tarcísio Rosa.

De acordo com o delegado Felipe Vasconcelos, as investigações em torno dessa ação foram iniciadas há cerca de 10 meses, quando a diretoria comercial da Eletrobras procurou a equipe da DECFS e relatou uma série de práticas ilegais, identificadas pelo sistema de controle da empresa, causando prejuízos significativos à concessionária de energia.

“Somente essas pessoas presas ao longo desta quinta-feira causaram, a partir desses desvios, prejuízos estimados em R$ 30 milhões à Eletrobras Amazonas Energia. Esse valor deve ser ainda muito maior, por isso as investigações vão continuar. As pessoas precisam ter a consciência de que furto de energia é crime e elas podem responder criminalmente pela prática ilegal”, advertiu o titular da DECFS.

Conforme o delegado Thomaz Vasconcelos Dias, as equipes policiais conseguiram identificar os desvios por meio da instalação de medidores adulterados, uma vez que esses funcionários envolvidos no esquema ilícito tinham acesso a alguns medidores, inclusive vários deles furtados de alguns residências, algumas delas desocupadas.

“Eles subtraíam esses medidores, levavam para alguns laboratórios, faziam a adulteração e reinstalavam em grandes unidades consumidoras, cobrando, pra isso, expressivos valores pelo serviço. Então essa unidade consumidora passava a pagar valores 90% inferiores aos que realmente deveriam pagar à concessionária. Identificamos os autores da adulteração e os indivíduos que faziam a instalação desses medidores. Em uma fase seguinte serão chamados os empresários que foram beneficiados com essa fraude”, complementou o diretor-adjunto do DRCO.

Para concluir, o delegado-geral da Polícia Civil no Estado elogiou o trabalho desempenhado pelos servidores da instituição. “Agradeço o empenho das equipes da DECFS e DRCO, que ao longo desse tempo fizeram esse trabalho criterioso, com o interesse de desvendar os autores e levá-los a prestar conta com a Justiça. Também quero agradecer o apoio da Eletrobras Amazonas Energia e das unidades que contribuíram para que esse trabalho se efetivasse”, declarou.

O titular da DECFS ressaltou que as investigações em torno de desvios à concessionária irão continuar com o intuito de identificar outros eventuais envolvidos nessa prática ilícita.

(80)

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

script charset="UTF-8" src="//cdn.sendpulse.com/28edd3380a1c17cf65b137fe96516659/js/push/694f057914f01ff839cc74d8f75a3baf_0.js" async>
Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE