Arquivo para agosto 10th, 2018

Preso pistoleiro da FDN, acusado de executar colombiano no Centro de Manaus

10 de agosto de 2018 13:350 comentários
Preso pistoleiro da FDN, acusado de executar colombiano no Centro de Manaus

Hilton Mário Souza Albuquerque, o “Sirico”, pistoleiro da Família do Norte (FDN) foi preso ontem (9) por policiais do Departamento de Repressão ao Crime organizado( DRCO). Ele á acusado de executar a tiros o colombiano Yuri Alexander Ayla Ávila, 48, no dia 14 de janeiro deste ano na rua José Paranaguá, Centro de Manaus.

O delegado Juan Valério informou que o acusado foi preso na tarde de ontem (9) na Rua Duque de Caxias, na Praça 14 de Janeiro. O diretor do DRCO disse que “Sirico” foi baleado em um tiroteio entre traficantes em novembro do ano passado, quando Ramerson Albuquerque Oliveira, o “Gogonha” foi morto a tiros no beco Tarumã.

Sirico teria executado o colombiano Yuri por acerto de contas.  Ele foi encaminhado a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros.

Caixa lança site para apostas em loterias pela internet

Caixa lança site para apostas em loterias pela internet

A Caixa lançou nesta sexta-feira (10) o Portal Loterias Online, site de vendas de apostas das Loterias Caixa.

Com ele, as pessoas poderão registrar suas apostas nas principais modalidades das Loterias Federais virtualmente, como Mega-Sena, Lotofácil, Quinta, Lotomania, Timemania, Dupla Sena, Loteca, Lotogol e Dia de Sorte.

Para utilizar o Portal (www.loteriasonline.caixa.gov.br) o usuário deve realizar um cadastro informando seu CPF. O procedimento é feito para verificar se o apostador é maior de idade.

O cliente navega pelas páginas de cada modalidade, faz seus palpites, insere no carrinho e paga todas as apostas de uma só vez, com cartão de crédito.

As apostas pelo site têm valor mínimo de R$ 30 e máximo de R$ 500 por dia.

O site funcionará 24 horas, mas o horário de encerramento das apostas no portal segue a mesma regra das apostas registradas nas lotéricas e pelo internet banking Caixa, em que os clientes do banco já apostam atualmente na Mega-Sena.

A expectativa da Caixa é que em um ano o Portal represente 3% do total de apostas das lotéricas.

Com informações da Folhapress.

‘Sessão Maria da Penha’ é marcada por cobrança de delegacias da mulher no interior

‘Sessão Maria da Penha’ é marcada por cobrança de delegacias da mulher no interior

Diante de um quadro que aponta quase 7.500 registros de diversos tipos de violência contra a mulher somente neste ano, a sessão especial realizada pela Assembleia Legislativa do Amazonas para celebrar o aniversário de 12 anos da Lei Maria da Penha apontou diversas propostas e caminhos sobre a temática. Uma das ideias é a ampliação do número de delegacias especializadas em crimes contra a mulher, tese defendida no pronunciamento da deputada estadual Alessandra Campêlo (MDB). A atividade contou com a presença de familiares de mulheres vítimas de violência no Estado, como a policial militar Deusiane Pinheiro.

A parlamentar, que preside a Comissão da Mulher da Assembleia, falou sobre os avanços trazidos pela Lei Maria da Penha, elogiou o empenho do Poder Judiciário do Amazonas nessa pauta, mas cobrou do Governo a melhoria da estrutura para as polícias trabalharem, com construção de delegacias especializadas da mulher, realização de concursos públicos e aperfeiçoamento do atendimento e reciclagem dos servidores.

De acordo com a Alessandra, a média nacional é de 8% dos municípios cobertos por delegacias da mulher. No Amazonas, entretanto, dos 62 municípios apenas Manaus tem delegacia da mulher – uma matriz no Parque 10 e um anexo no Nova Cidade.

“Estamos muito abaixo da média nacional e para alcançarmos a média nacional teríamos que ter várias cidades com delegacias da mulher funcionando”, afirmou Alessandra, indicando a necessidade de instalação dessas especializadas inicialmente em polos como Parintins, Manacapuru, Itacoatiara, Tabatinga e Coari.

Outras propostas

A sessão desta quinta-feira, 9 de agosto, teve ainda a presença dos deputados Luiz Castro (Rede), José Ricardo Wendling (PT), Luiz Castro (Rede),  Adjuto Afonso (PDT) e Serafim Corrêa (PSB), que presidiu a sessão em conjunto com a deputada autora da propositura. Os dois primeiros subiram à tribuna para contribuir com o debate.

Luiz Castro também destacou os avanços da Lei 11.340/2006, mas concordou com Alessandra sobre a necessidade de investimentos em políticas públicas na rede de proteção às mulheres.

“A violência contra as mulheres no interior é muito grande também, não é só na capital. Há uma subnotificação clara da violência contra as mulheres no interior e nós precisamos, portanto, de uma verdadeira política pública do Estado. Houve avanços no  Judiciário, mas nós precisamos de fato que o Poder Executivo faça sua parte mais e melhor, tanto em relação a mulheres quanto a crianças e adolescentes, cujas maiores vítimas são do sexo feminino”, ponderou Castro.

José Ricardo contribuiu refletindo sobre necessidade de uma cultura de respeito aos Direitos Humanos. Ele criticou a deturpação do conceito nos últimos anos por parte da mídia. As mulheres, nesse sentido, também são vítimas de violências cometidas pelo próprio Estado, como a falta de atendimento especializado para as mulheres.

“O conceito de Direitos Humanos é universal, como o direito à vida, alimentação, transporte, saúde, educação e boa parte desses direitos acabam sendo negados para muita gente, inclusive para mulheres que são vítimas, por exemplo, da área de saúde”, comentou o deputado do PT.

Homenageados

Autoridades, instituições e servidores públicos que contribuem com a defesa da mulher em seus segmentos foram homenageados pelo Poder Legislativo. Um deles foi o desembargador Flávio Pascarelli, que como presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas colaborou com a celeridade no julgamento de processos que envolvem violência doméstica e familiar contra a mulher. Além disso,  o Judiciário Estadual bateu todas  metas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) na defesa da mulher.

Placas:

Flávio Pascarelli – desembargador do TJAM

Tribunal de Justiça do Amazonas (instituição que prestou relevantes serviços em defesa da dignidade das mulheres do Estado)

 Certificados de Honra ao Mérito:

Catarina Saldanha Torres – ex-delegada da Mulher e atualmente titular da DEOPS

Elza Vitória de Sá Peixoto Pereira Melo – juíza auxiliar da presidência e sub-coordenadora estadual da Mulher em Situação de Risco do TJAM

Ana Lorena Teixeira Gazineu – juíza titular do 1º Juizado Especializado de Combate à Violência Doméstica e Familiar contra  Mulher

Guilherme José Sete Júnior – capitão da PM e idealizador do Projeto Ronda Maria da Penha e atualmente coordenador do Projeto João & Maria, que atua no enfrentamento à violência contra a mulher por meio de palestras em escolas com suporte de mulheres servidoras da Segurança Pública

Maria Gláucia Barbosa Soares – integrante da Comissão Nacional da Mulher Advogada, presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB-AM e vice-presidente da Associação Brasileira da Mulher de Carreira Jurídica do Amazonas

Débora Cristina Pereira Mafra – delegada titular da Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher

Três ambulâncias irão reforçar atendimento de saúde no município Humaitá

Três ambulâncias irão reforçar atendimento de saúde no município Humaitá

A partir desta sexta-feira, 10 de agosto, o município de Humaitá passa a contar com três novas ambulâncias para reforçar o atendimento de saúde no município. Dois dos veículos foram entregues pelo governo do Amazonas. O terceiro é fruto de emenda parlamentar.

As ambulâncias, uma completamente equipada para UTI, foram entregues ao prefeito Erivâneo Seixas, que fez questão de inspecionar os equipamentos pessoalmente. “Estou muito feliz em receber essas ambulâncias para o nosso município. Agradeço ao Estado do Amazonas pelo apoio dado. Com certeza o povo de Humaitá saberá aproveitar muito bem este benefício”, afirmou.

Ele lembrou que as conquistas do município são fruto de uma boa gestão e do bom relacionamento que a prefeitura mantém com todos os poderes. “Em menos de 2 anos de gestão já conseguimos avançar em diversos setores da administração pública e sempre eu falo gosto de fazer pelo coletivo para que todos saiam ganhando com nossas conquistas” disse Herivâneo Seixas.

 

Eleição 2018: confira como foi o primeiro debate entre presidenciáveis

Eleição 2018: confira como foi o primeiro debate entre presidenciáveis

Em um primeiro debate morno, promovido pela Bandeirantes, os candidatos à Presidência evitaram, com algumas exceções, ataques diretos e trazer temas polêmicos à tona na noite desta quinta (9).

Presidenciáveis como Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT) não foram confrontados com seus pontos fracos, como o escândalo da Dersa, no caso do ex-governador de São Paulo, ou o temperamento explosivo do ex-governador do Ceará.

A ausência de Lula, preso em Curitiba por corrupção e lavagem de dinheiro, contribuiu para um embate menos caloroso. Nesse cenário, Guilherme Boulos, do PSOL, tentou assumir o papel de porta-voz da esquerda e se apresentou como “do partido de Marielle Franco”, vereadora assassinada no Rio de Janeiro em março.

Foi ele, inclusive, que protagonizou um dos únicos confrontos em que o tom das acusações se elevou. Boulos questionou Jair Bolsonaro (PSL) sobre a funcionária de seu gabinete Walderice Santos da Conceição, que, segundo mostrou a Folha de S. Paulo, trabalha num comércio de açaí em Angra dos Reis, onde o deputado federal tem uma casa.

“Quando a Folha de S.Paulo foi lá, ela estava de férias. Ela é essa senhora, humilde, trabalhadora”, disse Bolsonaro.

Ao ser questionado por Boulos se ele não tinha vergonha de manter uma “funcionária fantasma” e de ter auxílio moradia da Câmara mesmo tendo imóvel em Brasília, Bolsonaro respondeu que teria vergonha se “tivesse invadindo as casas dos outros”, numa provocação ao líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).

“E não vim pra cá bater boca com um cidadão desqualificado como esse aí”, completou Bolsonaro, encerrando sua fala antes do tempo.

Além de Boulos, o Cabo Daciolo (Patriota) também destoou do clima mais ameno, atirando sobre praticamente todos os opositores.

Dos 13 candidatos à Presidência definidos nas convenções, apenas oito participaram do debate: além de Bolsonaro, Alckmin, Ciro, Boulos e Daciolo, foram convidados Marina Silva (Rede), Álvaro Dias (Podemos) e Henrique Meirelles (MDB).

Todos se enquadram na determinação da lei eleitoral de que devem ser convidados candidatos de partidos ou coligações que tenham pelo menos cinco congressistas.

O outro seria Lula. O PT chegou a pedir à Justiça que ele fosse autorizado a participar via videoconferência.

Com o pedido negado, o partido resolveu fazer um debate paralelo, com o vice e potencial titular da chapa, Fernando Haddad.

ALCKMIN E BOLSONARO

O ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) foi o mais demandado pelos opositores mais bem posicionados nas pesquisas de intenção de voto, que evitaram Bolsonaro.Marina, por exemplo, pressionou o ex-governador de São Paulo por sua aliança com o chamado “centrão” (DEM, PP, PR, PRB e SD).

“O sr. diz que é candidato à Presidência porque quer mudar o Brasil. No entanto, fez aliança com o centrão, que é a base de sustentação do governo Temer. […] O sr. acha que isso é fazer mudança?”, questionou a candidata da Rede.

Ciro, por sua vez, disse que a reforma trabalhista, defendida no debate por Alckmin como “necessária”, “foi um erro” e “introduziu muita insegurança” no país. “Essa selvageria nunca fez nenhum país do mundo prosperar”, afirmou o candidato do PDT.

Questionado em temas como violência contra a mulher e segurança pública, Bolsonaro manteve posições como a defesa da castração química para estupradores e um referendo para facilitar a venda de armas aos “cidadãos de bem”.

“A violência só cresce no Brasil devido a uma equivocada política de direitos humanos. […] O cidadão de bem, esse foi desarmado. O bandido continua bem armado.”

Alvaro Dias foi um dos que mais tratou do tema da Lava Jato, dizendo que a operação “deve ser institucionalizada” como política de combate à corrupção, e citando novamente o juiz Sergio Moro como seu futuro ministro da Justiça.

Segundo a assessoria da Bandeirantes, o debate teve pico de 7,5 pontos de audiência, segundo o Ibope, e média de 6,1 pontos na Grande São Paulo. Cada ponto representa 71.855 casas ou 201.061 telespectadores.  Com informações da Folhapress.

TEXTO

%d blogueiros gostam disto: