Após cassação de José Melo prefeitos se reúnem com presidente da AAM

Após cassação de José Melo prefeitos se reúnem com presidente da AAM

Após decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que cassou o mandato do Governador José Melo e seu vice Henrique Oliveira, na ultima quinta-feira (04), varias reuniões estão acontecendo na sede da Associação Amazonense de Municípios (AAM), entre prefeitos, ex-prefeitos e lideranças política do interior do Estado, com o presidente da AAM, João Campelo.

De acordo com um dos diretores da AAM, vários prefeitos e lideranças politicas estão se mobilizando e articulando de forma unificada o nome de um possível candidato ao governo ou vice na chapa que resolverem apoiar.

Por telefone o presidente da AAM, João Campelo, não quis se pronunciar sobre a decisão do TSE em relação a cassação dos mandatos de Melo e Henrique Oliveira, disse apenas que o momento é de cautela e de se pensar em agir com a razão e não pela emoção.

O governador José Melo (PROS) seguirá no cargo até que o acórdão com a decisão sobre a cassação dele seja publicado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A informação foi confirmada pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), desembargador Yedo Simões, em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (5).

O desembargador afirmou que ainda não recebeu o comunicado oficial sobre a cassação de José Melo. “Governador continua sendo José Melo até que seja executado o acórdão”, esclarece.

Conforme a ordem de sucessão, o presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), David Almeida, assume o cargo até que sejam realizadas as eleições diretas para escolha do novo governador.

Ao término da coletiva, Yêdo Simões recebeu uma ligação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux. O ministro confirmou que não foi encaminhada nenhuma ordem oficial para a saída imediata de Melo e do vice, Henrique Oliveira.

“O ministro disse que eu não descumpri nada, porque realmente não veio nenhuma ordem judicial. Ele afirmou que o ministro Gilmar Mendes é que tomará essa decisão na segunda-feira (8)”, disse Simões.

Para o desembargador, o ministro afirmou ainda que não pode encaminhar a ordem porque está impedido no processo.

“Ele está impedido e não pode tomar nenhuma posição. Então, na segunda-feira, o ministro Gilmar Mende irá avaliar este cumprimento. Ele assume na segunda-feira, porque está em viagem. Então vou aguardar a decisão a decisão do ministro presidente”, disse Simões. “Não temos definida a vaga da eleição, mais provável seria agosto ou primeiro domingo de setembro. Vai depender da execução desse julgado, para que isto possa acontecer”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *