CODESE defende retomada da atividade econômica

22 de maio de 2020 19:190 comentários

Em reunião extraordinária virtual do Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Manaus (CODESE Manaus), ocorrida nesta quarta-feira (20), as 18 entidades participantes da plenária acordaram o envio de uma carta ao governador do Estado, Wilson Lima, solicitando a retomada planejada das atividades econômicas com os devidos cuidados profiláticos e sanitários, buscando conter falências de empresas e elevado desemprego que assolaram a capital.

A entidade, sem fins lucrativos que planeja Manaus até 2038, reconhece a importância das medidas de restrição para minimizar a proliferação do novo coronavírus, que iniciaram no mês de março e se prolongam até o dia 31 de maio, mas enfatiza no documento as conseqüências financeiras e sociais do isolamento social. “O Governo do Estado tem se mostrado sensível a essa situação e tem consciência que a proteção social depende também da atuação pujante do setor produtivo, gerador de emprego, renda e desenvolvimento. Quando uma empresa, por menor que seja, é obrigada a fechar as suas portas de forma definitiva, vão junto dezenas, centenas ou até milhares de vidas condenadas ao subemprego ou, pior, sem perspectivas, a se aliar ao mundo do crime”, destacou o documento.




A manifestação foi baseada em dados nacionais e regionais que têm causado inquietação na sociedade organizada. O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) aponta, que neste mês de maio, 517.162 pessoas deram entrada no seguro desemprego no Brasil. A maioria destes trabalhadores da economia formal apresenta faixa salarial de ganhos que oscila de 1,5 a 3 salários mínimos. A União gastou com este pagamento, nos 20 dias do mês de maio, mais de R$ 2,5 bilhões.

No Estado do Amazonas, 5.145 pessoas pediram o seguro desemprego, em maio, sendo 1.895 trabalhadores do setor de serviços, 1.390 do comércio e 1.285 do industrial e 533 da construção civil. “Os segmentos têm sido afetados pela paralisação da cadeia produtiva, queda na demanda por seus produtos e serviços. Com o mercado estagnado em decorrência do isolamento, o faturamento caiu drasticamente e as empresas não têm conseguido manter os funcionários. As demissões não afetam apenas os desligados, mas famílias inteiras que, por enquanto sobrevivem do seguro desemprego, mas até quando?”, ponderou o presidente do CODESE Manaus, Romero Reis.

A carta da entidade reitera ao chefe do Poder Executivo, que reflita sobre a queda no número de infectados e mortos, assim como os ganhos a partir do retorno maciço das empresas. “No momento em que os números demonstram um declínio no uso de instalações hospitalares e de óbitos, especialistas são unânimes em apontar que a expressiva contaminação de semanas atrás produziu a imunização natural da população. Esse é um veemente apelo para que Vossa Excelência se sensibilize e evite danos irreparáveis a já combalida economia de nossa capital. Por trás dos números e gráficos, existem famílias que dependem de seus empregos para garantir sua dignidade e esperança em dias melhores. Assim, manifestamos nosso desejo que, a partir da autorização do Governador, o próximo dia 31 de maio seja vista com a data em que o Amazonas reencontrou seu caminho, deixando esse difícil capítulo de nossa história para trás, afinal, sem trabalho, produção, geração de emprego, de riqueza e arrecadação, não tem solução” finaliza o documento.

CODESE Manaus

O CODESE Manaus é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, sem vínculo político-partidário ou religioso, formada pela sociedade civil organizada, por intermédio de entidades representantes e representativas de segmentos capazes de contribuir para o planejamento e busca de soluções para o futuro da cidade de Manaus.

A entidade foi criada, em Manaus em 2018, com a finalidade de possibilitar que a sociedade se torne protagonista do futuro da cidade, elaborando e atualizando, de forma contínua e participativa, planos, estudos, projetos e iniciativas decorrentes de tais propósitos. É composta pela Associação Brasileira de Agências de Viagens do Amazonas (ABAV), Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-AM), Associação Comercial do Amazonas (ACA), Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Amazonas (Ademi-AM), Associação de Delegados de Polícia do Estado do Amazonas (Adepol-AM), Associação de Jovens Empresários do Amazonas (AJE-AM), Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Amazonas (CAU-AM), Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL Manaus), Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Conselho Regional de Economia do Amazonas (Corecon-AM), Conselho Regional de Administração do Amazonas (CRA-AM), Conselho Regional de Contabilidade do Amazonas (CRC-AM), Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Amazonas (CREA-AM), Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado do Amazonas e Roraima (Creci AM/RR), Federação da Agricultura e Pecuária do Amazonas (FAEA), Fundação Amazonas Sustentável (FAS), Sistema Fecomércio-Sesc-Senac-AM , Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), Grande Loja Maçônica do Amazonas (Glomam), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM), Associação PanAmazônia, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Amazonas (Sebrae-AM) e Sindicato das Indústria da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon-AM).

Deixe um comentário