Luiz Castro chama atenção para aumento da tuberculose no Amazonas

Luiz Castro chama atenção para aumento da tuberculose no Amazonas

Em pronunciamento nesta terça-feira (20), o deputado estadual Luiz Castro (REDE) chamou a atenção para o aumento dos casos de tuberculose no Amazonas que, em 2017, atingiu mais de três mil pessoas. Segundo o parlamentar, o Amazonas é o segundo no Brasil com maior indicador percentual da doença infecciosa, provocada pelo Mycobacterium tuberculosis.

Segundo o deputado, a Casa Legislativa tem um papel importante na articulação do enfrentamento à tuberculose. “Que os temas sobre saúde sejam os mais combatidos na Casa, principalmente pelos membros da Comissão de Saúde, que inspecionem hospitais e deem sua contribuição com novas ideias no sentido de enfrentar a doença”, sintetizou.

Na avaliação de Castro, o enfrentamento à tuberculose exige uma grande ação de política pública estruturada, organizada e integrada com as áreas de Assistência Social e de Educação. “Não somente para a detecção da doença, mas também para o tratamento efetivo dos pacientes com dependência química por conta do alcoolismo e outras drogas”, disse.

Centro de biotecnologia

Outro tema tratado por Luiz Castro diz respeito ao Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), que continua sem personalidade jurídica, ou seja, o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Por conta disso, não tem um modelo de gestão e nem capacidade de desenvolver o seus trabalhos, que é o desenvolvimento de produtos à base da biodiversidade local.

Segundo Castro, o CBA possui laboratórios com capacidade para abrigar mais de 400 desenvolvedores de produtos, no entanto, hoje, agrega apenas 105 bolsistas pagos com recursos do CNPQ e Fapeam. “Quando terminar o contrato vão embora e o trabalho não será concluído”, lamentou, ressaltando que os governantes continuam míopes para o problema. “Nós já poderíamos ter esse centro de biotecnologia funcionando e desenvolvendo produtos para o mercado brasileiro e internacional a partir das nossas riquezas”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *