Operação “Bomba Relógio” empresários e comerciantes são detidos em Eirunepé

Operação “Bomba Relógio” empresários e comerciantes são detidos em Eirunepé

Policia Civil, Policiais Militares da 1a CIPM, com participação da Secretaria de Defesa Civil e Secretaria Municipal de Meio Ambiente deflagraram na manha de ontem sexta-feira (03) Operação “Bomba Relógio”  no Município de Eirunepé (distante a 1.410 quilômetros de Manaus)e prenderam os empresários e comerciantes Itamar Alves da Cunha, 47, Raimundo Alves da Costa ,61, “Raimundinho da Acreana”, Francisco Paulo Santos, 56, “Paulo Santos”, Raimunda Nonata Oliveira Lopes, 37, “Mana do Nal”, Silvino Alencar dos Santos, 64, Aidno Soares dos Santos, 42, “Irmão Aidno”, Mailson Lopes dos SANTOS, 28, Agapito Cordeiro de Freitas, 66; e Jener Gomes da Silva, 37. Por comercializarem e armazenarem botijões de gás de forma irregular expondo os mesmo em gaiolas de ferro e ate mesmo dentro das lojas e casas para comercialização, expondo ao perigo de explosão e contrariando normas de segurança e em desacordo com as exigências legais.

De acordo com o Major da PM, Pedro Moreira, da  1a CIPM, comerciantes de forma inescrupulosa, visando o lucro a qualquer custo disseminaram pela cidade diversos pontos de revendas irregulares em comércios de sua propriedade ou de terceiros, não atentando para o perigo que expunham os consumidores, funcionários e até eles próprios.

Ainda de acordo com o Major, alguns comerciantes que possuíam autorização da ANP e de outros órgãos para comercializar gás de cozinha (GLP) se aproveitavam para atuarem como distribuidores, e entregavam os produtos para revenda em outros comércios que não possuíam licença de nenhum órgão.

Todo o efetivo da Polícia Militar e da Polícia Civil no Município foram empregados na Operação totalizando 50 policias, 06 (seis) viaturas e 04 (quatro)  motocicletas.

Todos os comerciantes flagrados irregularmente, no total de 09, foram conduzidos e apresentados na 7a Delegacia Interativa de Eirunepé – DIE. Os botijões apreendidos totalizaram cerca de 190 recipientes que foram entregues a seus proprietários mediante termo, ficando estes como fiéis depositários.

Os empresários Itamar Alves da Cunha, Raimundo Alves da Costa, Francisco Paulo Santos, Aidno Soares dos Santos e Raimunda Nonata Oliveira Lopes que foi presa em setembro de 2015, suspeitas de aplicar golpes com cartões do Bolsa Família no município.

Os infratores deverão responder pelos crimes capitulados no art.1o  da Lei 8.176/90 (Crime contra ordem econômica) e no art. 56 da Lei 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais). Além disso, deverá ser informado através de ofícios a Agência Nacional do Petróleo –  ANP e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente para que adotem medidas administrativas cabíveis aos transgressores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *