Pastor e comparsas são presos por sequestro de colombianos em Manaus

Pastor e comparsas são presos por sequestro de colombianos em Manaus

Ícaro Lucas Lopes de Oliveira, 22, Udiney Francisco Medeiros de Souza, 26, e o pastor evangélico José Francisco da Silva Oliveira, 45, foram presos na Avenida Cravina dos Poetas, bairro Redenção, zona Centro-Oeste, logo após ter roubado um homem e uma mulher, ambos colombianos. O trio suspeito de vários assaltos e sequestros de colombianos em Manaus.

De acordo com o delegado titular da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (Derfd), Adriano Felix. Os três localizavam os colombianos recém-chegados a Manaus para fixar residência e procurar algum emprego e sequestravam essas pessoas em um carro Gol, de cor preta e de placas JXF-4681, cujo dono é Udiney Francisco. Se passando por policiais, os acusados tomavam dinheiro e objetos de valor das vítimas, que pouco podiam fazer, porque geralmente entram ilegalmente no Brasil.

Ícaro, José e Udiney chegaram a se passar por policiais civis para praticar os delitos e o modo de agir era semelhante em todas as situações. Segundo o delegado, seis inquéritos de roubo, cuja prática criminosa os autores já confessaram participação, tramitam na Derfd.

“Eles monitoravam a rotina das vítimas. Após elas receberem dinheiro dos clientes, o trio se aproximava delas, no veículo conduzido por Francisco. Ícaro e Udiney faziam as abordagens e as colocavam dentro do carro. Eles continuavam trafegando normalmente pela cidade com as vítimas e após as extorquirem ou as roubarem, as vítimas eram deixadas em qualquer lugar”, disse Felix.

Ícaro, José e Udiney foram autuados, em flagrante, por associação criminosa e tentativa de roubo majorado. Eles são investigados em inquéritos policiais por roubo, extorsão, cárcere privado e sequestro. O trio será encaminhado à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, onde irá permanecer à disposição da Justiça.

O pastor evangélico e os dois comparsas não tinham arma de fogo, e para intimidar os colombianos eles escondiam seus aparelhos celulares por debaixo da camisa e na cintura, para aparentar que eram revólveres ou pistolas, disse o delegado Adriano Félix, na entrevista coletiva desta quarta-feira, 20, quando apresentou o trio à imprensa, na sede da DERFD, antes de serem levados para a Cadeia Pública. 

Caíque Varella

Caíque Varella

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.