Previdência do Amazonas promove audiência pública para discutir Plano Plurianual 2020-2021

18 de dezembro de 2019 15:170 comentários

Os planejamentos estratégico e de aplicação de investimentos da Fundação Amazonprev para o exercício de 2020-2021 serão apresentados nesta quinta-feira (19/12), das 9h ao meio-dia, no auditório da instituição, no Centro de Manaus. Participam do evento os representantes das secretarias da administração direta e indireta do Estado, sindicatos, conselhos de Administração e Fiscal da Previdência do Amazonas, servidores, segurados e população.

A audiência se configura na prestação de contas de 2019 e apresentação dos objetivos estratégicos para o próximo biênio (2020-2021). Todas essas informações já estão disponíveis para consulta no site da Amazonprev: www.amazonprev.am.gov.br.

“Esses planos se constituem em instrumento gerencial norteador da gestão do sistema previdenciário do Estado do Amazonas, que envolve as ações de planejar, executar, monitorar e avaliar os objetivos e iniciativas traçados, levando em conta as condições internas da Fundação e o cenário externo, buscando agilidade e eficiência para atender às demandas de seu público-alvo e partes interessadas”, resume o presidente da instituição, André Luiz Zogahib.

 

Os objetivos estratégicos e iniciativas constantes no Plano estão aderentes às diretrizes, aos princípios organizacionais expressos na Missão, Visão e Valores, todos alinhados à Política e Objetivos da Qualidade adotados pela Fundação, assim como às boas práticas de gestão instituídas por programas institucionais voltados aos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS).

Entendendo a necessidade permanente de uma gestão estratégica consciente, o Plano de 2019 foi revisado levando-se em conta o cenário político e econômico do exercício, buscando manter o aprendizado dos direcionamentos estratégicos anteriores, como também, aperfeiçoar a formulação de novas estratégias, face aos novos cenários vivenciados e vislumbrados.

 

O PPA foi elaborado para um horizonte de quatro anos – 2018-2021 – e vem sendo atualizado a cada exercício, contemplando limites financeiros traçados em consonância com o Plano de Aplicação de Investimentos (PAI), além dos aspectos orçamentários, cujas bases se fundamentam na legislação vigente aplicável aos RPPS – em especial a Lei Complementar 30, de 27 de dezembro de 2001 e suas alterações, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2019, Lei Orçamentária Anual (LOA) 2019 e normativos expedidos pelo Ministério da Economia/Secretaria de Previdência e Conselho Monetário Nacional (CMN).

“O presente Plano poderá ser revisto a qualquer tempo, no decorrer de sua vigência ou com uma revisão anual obrigatória sendo apresentadas as razões por meio dos relatórios de Governança Corporativa, oportunidade em que os Planos de Ações deverão ser alterados, total ou parcialmente, para se tornarem exequíveis”, informa André Zogahib.

Deixe um comentário


%d blogueiros gostam disto: