Sem alimentação, PMs são orientados a irem almoçar em casa

Sem alimentação, PMs são orientados a irem almoçar em casa

Desde ontem policiais militares do Amazonas reclamam da falta de alimentação nos quartéis e estão sendo orientados a fazerem suas refeições em suas residências.

Hoje pela manhã, devido a suspensão do fornecimento de alimentos pela empresa Ripasa Alimentos, por falta de pagamentos, os militares se depararam com ausência de café da manhã nas bases.

Agora no final da manhã, foi compartilhada para os praças via sms e whatsApp, a seguinte mensagem:

Atento os SSAs, há um problema administrativo e devido a isso não haverá almoço para nenhuma Cicom, inclusiveo pessoal de serviço. Determinação aos senhores, deveis verificar junto as suas guarnições quem tem QSO na área de serviço ou até mesmo fora dentro de uma hora. Quem não tiver QSO, deverão ir com a VTR mesmo em sua residência fazer a refeição e retornar em seguida. Mesma situação na janta se até lá se resolver o problema.

Apesar dessa mensagem, o Comando Geral informou que não houve interrupção no abastecimento de refeições em nenhuma das Cicons ou grupamentos da PMAM.

Conforme denúncias de familiares, presos militares do Batalhão de Guardas, no Monte das Oliveiras, estariam sem se alimentar desde a manha de ontem.

No final da tarde de ontem o Comando Geral divulgou uma nota negando a falta de alimentação:

Comando Geral da Corporação informa que até o momento não foi registrada a falta de distribuição de alimentos em nenhuma Companhia Interativa Comunitária (Cicom). Em relação ao jantar, também informamos que não haverá alteração na distribuição das refeições, sendo assim, o serviço ocorrerá dentro da normalidade. 

Sobre a possível falta de pagamento à empresa responsável pela distribuição da alimentação, o Comando Geral da Corporação esclarece que não recebeu notificação oficial por parte da empresa. Ressaltamos ainda que as competências contratuais da Polícia Militar do Amazonas (PMAM) estão em dia e, qualquer outra providência contratual necessária, será resolvida junto aos órgãos competentes do Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *